Abertas as inscrições para o Prêmio Adelmo Genro Filho

SBPJor

As inscrições para a 11ª. Edição do Prêmio Adelmo Genro Filho (PAGF) de Pesquisa em Jornalismo já estão abertas e vão até o dia 10 de julho. Para a edição de 2016, poderão concorrer os trabalhos defendidos em 2015, de 01 de janeiro a 31 de dezembro, nas categorias Iniciação Científica/TCC, Mestrado e Doutorado.

O Prêmio PAGF foi criado em 2004 pela Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), para valorizar de forma individual as contribuições relevantes para o campo da pesquisa em jornalismo.

A jornalista Claudia Quadros está na coordenação geral do Prêmio Adelmo Genro Filho 2016. Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFPR, ela já foi vice-presidente e diretora científica da SBJor.

As comissões julgadoras de cada uma das categorias do PAGF são compostas por membros designados pela coordenação do PAGF conjuntamente com a diretoria e integrantes do Conselho Científico da SBPJor. A comissão julgadora deliberará pelo voto da maioria de seus membros. Na categoria sênior, a escolha é feita pela diretoria e pelo Conselho Científico da SBPJor, mas todo sócio da SBPjor pode enviar uma indicação ao PAGF até 10 de julho. Nesta categoria, é considerada a trajetória acadêmica e a contribuição do pesquisador para o campo do Jornalismo.

A Comissão julgadora do Prêmio PAGF avaliará os trabalhos até 30 de setembro de 2016. A entrega do Prêmio será feita durante o 14º. Encontro Nacional da SBPJor, que acontece entre os dias 9 e 11 de novembro de 2016 na Unisul, em Palhoça, Santa Catarina.

Acesse a Ficha de Inscrição e o Regulamento.

MYRIAN SERRA VENCE ELEIÇÕES PARA REITORIA DA UFMT

Fonte Site Focaia

Após a apuração dos votos para a eleição de reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a professora Myrian Serra, obteve vitória na disputa contra o seu colega Paulo Teixeira, em segundo turno. A chapa 4, “UFMT: Diálogo e Ação”, atingiu 49,37% do total de votos, contra 47,01% da concorrente, chapa 2, “UFMT +50″.

A decisão, como se observa nos números, se mostrou apertada, somente conhecendo o vencedor no final da contagem. No entanto, o voto que definiu em favor de Serra foi aquele depositado pelos profissionais técnicos. Sendo que os docentes preferiram a chapa 2 com 16,92% e 15,16% para chapa 4, no caso dos discentes 16,45% contra 15,94%, respectivamente. Já os técnicos foram mais decididos com 13,63% para Teixeira e 18,26% para Myrian.

O presidente do sindicato dos professores da instituição Reginaldo Araújo, disse ao jornal A Gazeta de Cuiabá, que apesar dos candidatos serem do mesmo grupo, ainda assim, “Uma nova gestão sempre traz expectativas de que seja um novo momento, com novas possibilidades de avançar nas questões que consideramos importantes”.

Como procedimento será apresentado ao governo federal uma lista contendo nomes de reitores para análise da presidência da república. Apesar das interferências políticas no passado, de governos centralizadores, nos últimos anos para cá, o chefe do executivo federal apenas ratifica o vencedor internamente. A nova gestão ficará no comando da instituição até 2020.

A posse da nova reitoria ocorrerá no dia 26 de outubro. Neste momento de transição deverá haver alternância de pessoas em cargos de confiança nos quatro campi da UFMT. Neste sentido, no Campus Universitário do Araguaia, o atual pró-reitor, deverá ceder a função a outro nome a ser escolhido, em tese, pela nova reitora. No entanto Serra em campanha foi mais enfática do que o seu adversário, ao afirmar que o pró-reitor de campus deve sair da escolha dos seus pares, ou seja, dos professores, técnicos e estudantes. Porém, não parece uma questão simples de resolução.

Para que haja a alternância no poder é preciso saber da decisão do pró-reitor José Marques pessoa, com vários mandatos no cargo de confiança da reitoria, com amplo diálogo com Cuiabá. Nos bastidores, pelo menos os docentes ainda não mostram articulados na definição do representante, no comando das unidades de Barra do Garças e Pontal, o que deve ocorrer, agora, após a definição do novo reitor.

Nos corredores, o atual pró-reitor afirma que já venceu o seu prazo no cargo. Atingiu os seus objetivos com sucesso, com implantação de projeto, idealizado ao longo do tempo em que esteve à frente do Campus Araguaia. Desta forma, espera que em breve surja um nome para sucedê-lo, e, ressalta, informalmente, não ter a intenção de interferir nas escolhas.

Professor produtivista

Fonte ANDES

Produtivismo acadêmico está acabando com a saúde dos docentes

 A quarta mesa do Seminário Ciência e Tecnologia no Século XXI, promovido pelo ANDES-SN em novembro (2015), em Brasília, debateu o “Trabalho docente na produção do conhecimento”. As análises abrangeram tanto a produção do conhecimento dentro da lógica do capitalismo dependente brasileiro, até o efeito do produtivismo acadêmico na saúde dos docentes.

Participaram dessa mesa, o ex-presidente do ANDES-SN e professor do departamento de educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher; a assistente social e também professora da UFRJ Janete Luzia Leite; e a professora visitante do curso de pós-graduação em serviço social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Maria Ciavatta.

Leher iniciou sua fala lembrando que a universidade brasileira, implantada tardiamente, tem sua gênese na natureza do capitalismo dependente brasileiro. E é essa matriz que vai determinar o conhecimento gerado academicamente. “Também não podemos esquecer que a produção do conhecimento tem sido re-significada. Hoje, não há mais a busca da verdade, mas, sim, a sua utilidade. Sem contar que o conhecimento é uma forma de domínio, como já disseram Kissinger, Fukuyama e Mcnamara”, argumentou.

“Diante disso, está fora de lugar a perspectiva de que a universidade tem um caráter iluminista. Àquela aura do professor universitário intelectual não mais se sustenta”, constatou.

Para Leher, antes havia a valorização da cultura geral, em que era comum encontrar um físico escrevendo sobre arte. Essa ideia, no entanto, não ocorre mais na universidade submetida à lógica utilitarista e pragmática. “É a expropriação do trabalho acadêmico”, criticou.

No Brasil, esse processo foi iniciado com a ditadura militar, que centralizou no Ministério do Planejamento os programas de apoio científico e tecnológico. Como o governo precisava direcionar a inteligência na perspectiva desenvolvimentistas do país, mas queria silenciar a universidade, passou a utilizar-se dos editais para direcionar as pesquisas.

Desde então, mas, principalmente, a partir de 2000, a maioria dos recursos destinados à pesquisa foram se deslocando para o que passou a ser chamado de inovação. A hipótese de Leher é de que como Brasil é dependente e como os doutores formados nas universidades não conseguem empregos na iniciativa privada, a universidade está sendo re-funcionalizada para fazer o serviço que as empresas não querem fazer.“Isso se dá nas ciências duras, mas também nas ciências sociais. É o que explica, por exemplo, o tanto de editais para formar professores à distância, ou para fazer trabalho nas favelas. É a universidade oferecendo serviços”, exemplificou.

“Diante dessa pressão em oferecer serviços, em produzir, o professor que levar dois anos para concluir um livro é expulso da pós-graduação”, denunciou Leher.

A saída para essa situação está na aliança do movimento docente com os movimentos populares. “Ao contrário do que ocorreu em épocas anteriores, em que parcelas da burguesia apoiaram projetos de uma universidade mais comprometida com os povos, hoje eles estão preocupados em inserir cada vez mais a instituição na lógica do mercado”, constatou. “Temos, portanto, de construir um arco de forças políticas no movimento anti-sistêmico, ou seja, com movimentos como a Conae e o MST”, defendeu.

Esse diálogo vai exigir da academia, no entanto, um esforço epistemológico e epistêmico. “Se queremos o MST como aliado, por exemplo, temos de produzir conhecimento que trate, por exemplo, da agricultura familiar”, argumentou.

Qualidade no ensino
A professora Maria Ciavatta também criticou o produtivismo acadêmico ao qual estão submetidos os docentes universitários. “Numa recente publicação do ANDES-SN, li a seguinte frase, que reflete muito bem o atual estado em que nos encontramos: ‘antes, éramos pagos para pensar, agora, somos pagos para produzir’. Achei essa definição ótima”, afirmou.

Ciavatta argumentou que a baixa qualidade do ensino decorre, diretamente, da insuficiência de recursos, responsável pelos baixos salários pagos aos professores. Disse, também, que o Brasil não tem políticas públicas para educação, mas programas de governo.

Ela criticou veementemente o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico) do governo federal. “O discurso é o mesmo dos anos 90, de que precisamos treinar os jovens pobres porque eles precisam de trabalho. Ocorre que esses jovens, por não saberem o básico, também não aprenderão nada nos cursos técnicos”, previu.

“O que temos de defender é a universalização do ensino médio público, gratuito, de qualidade e obrigatório. Temos de responsabilizar o Estado nessa questão”, defendeu.

Ciavatta criticou a banalização do termo pesquisa. “Todos os professores têm de ser pesquisadores, quando, na realidade, a pesquisa científica exige um tempo para pensar”, argumentou. “A pesquisa é encarada como toda E qualquer busca de informação”, constatou.

Após citar os artigos da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) que tratam da pesquisa, ela apontou a baixa qualidade do ensino como um empecilho. “A sofisticada proposta da LDB não se faz com alunos semi-analfabetos. Não basta a alfabetização funcional de muitos e a especialização de poucos. A inovação requer a generalização da cultura científica”, diagnosticou.

Para Ciavatta, a privatização das universidades públicas, com a criação de cursos pagos, se deu a partir do achatamento salarial dos anos 90, o que acarretou maior carga horária dos professores, precarização das relações de trabalho, produtivismo induzido e  individualismo.  “Sou de uma época em que líamos os trabalhos dos colegas. Hoje não temos mais tempo”, lamentou.

A eficiência prescrita e o produtivismo induzido limitaram, segundo ela, a democracia e a autonomia da universidade.

Para a pesquisadora, o viés positivista e mercantilista é que está pautando a produção do conhecimento. “O direito à educação está sendo substituído pelo avanço do mercado sobre a educação, que está sendo vista como um serviço”, afirmou.

Saúde dos docentes
O produtivismo acadêmico está tirando a saúde dos docentes das universidades públicas brasileiras. Essa é a principal constatação feita por estudo da professora do curso de Serviço Social da UFRJ Janete Luzia Leite. “Antes, a docência era vista como uma atividade leve. Agora, está todo mundo comprimido”, afirmou.

A causa dessa angústia está na reforma, feita em 2004, na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “Aliada ao Reuni, as mudanças na Capes foram um verdadeiro ataque à autonomia universitária”, denunciou.

O resultado foi a instituição de dois tipos de professores: o pesquisador, que ensina na pós e recebe recursos das agências de fomento para fazer suas pesquisas e o que recebe a pecha de “desqualificado”, que ficou prioritariamente na docência de graduação e à extensão. Esses, em sua maioria, são recém-contratados e terão suas carreiras truncadas e sem acesso a financiamentos.

Para Janete, os atuais docentes estão formando em seus alunos um novo ethos, em que é valorizado o individualismo, ocultada a dimensão da coletividade e naturalizada a velocidade e a produtividade.

Há, também, um assédio moral subliminar muito forte, que ocorre, principalmente, quando o docente não consegue publicar um artigo, ou quando seus orientandos atrasam na conclusão do curso. “Com isso, estamos nos aproximando de profissões que trabalham no limite do estresse, como os médicos e motoristas”, afirmou.

O resultado é que os docentes estão consumindo mais álcool, tonificantes e drogas e estão propensos à depressão e ao suicídio. “É um quadro parecido com a Síndrome de Burnout, em que a pessoa se consome pelo trabalho. Ocorre como uma reação a fontes de estresses ocupacionais contínuas, que se acumulam”, explicou Janete Leite.

O problema, segundo ela, é que as pessoas acham que seu problema é individual, quando é coletivo, além de terem vergonha de procurar o serviço médico. “Com isso, elas vão entrando em suas conchas, temendo demonstrar fragilidades”.

Como forma de mensurar o nível de estresse dos docentes, a pesquisadora da UFRJ começou a fazer uma pesquisa nesse campo. Junto com um grupo de aluno, ela entrevista professores dispostos a falar de seus problemas.

“A primeira constatação que fiz é que as pessoas estão ansiosas para falar sobre seus problemas. Nossas entrevistas não duram menos do que uma hora e meia”, contou.

Já foi possível concluir que a atual realidade tem provocado sintomas psicopatológicos, como depressão e irritabilidade; psicosomáticos, como hipertensão arterial, ataques de asma, úlceras estomacais, enxaquecas e perda de equilíbrio; e sintomas comportamentais, como reações agressivas, transtornos alimentares, aumento de consumo de álcool e tabaco, disfunção sexual e isolamento.

Tudo isso, para Janete Leite, decorre da pressão atualmente feita sobre o docente. “O nosso final de semana desapareceu, pois temos de dar conta do que não conseguimos na semana, como responder e-mails de orientandos, ou escrever artigos”, afirmou.

Para ela, é preciso que haja uma reação dos docentes a esse processo. “Caso contrário, seremos uma geração que já está com a obsolescência programada”, previu.

Jornalismo mais perto da escola

Folha de S. Paulo

Ficção e jornalismo se influenciaram ao longo da obra de García Márquez

 

A atuação jornalística de Gabriel García Márquez influenciou tanto a sua ficção, e vice-versa, que o colombiano gerou um paradoxo: “Os editores do jornal se queixam de que meu estilo é muito literário, e os críticos literários reclamam que meu estilo é muito jornalístico”.

A citação é feita pelo tradutor e ensaísta Léo Schlafman no prefácio de “Reportagens Políticas” (Record), um dos cinco volumes que que reúnem sua produção jornalística dos anos 1940 aos 1980 —a maioria é composta de crônicas, reportagens, artigos e entrevistas.

Trocou o curso de direito pelo jornalismo em 1950. Em sua carreira se destacam as reportagens investigativas, personagens que remetem ao realismo mágico de sua ficção e a defesa política que fez de regimes como a ditadura cubana, seja em artigos de opinião ou reportagens.

Para García Márquez, um dos principais problemas do jornalismo atual estava na formação. Ele defendia uma aproximação entre os veículos de imprensa e as escolas.

Produtivismo acadêmico está acabando com a saúde dos docentes

Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – ANDES-SN


A quarta mesa do Seminário Ciência e Tecnologia no Século XXI, promovido pelo ANDES-SN, novembro do ano passado em Brasília, debateu o “Trabalho docente na produção do conhecimento”. As análises abrangeram tanto a produção do conhecimento dentro da lógica do capitalismo dependente brasileiro, até o efeito do produtivismo acadêmico na saúde dos docentes.

Participaram dessa mesa, o ex-presidente do ANDES-SN e professor do departamento de educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher; a assistente social e também professora da UFRJ Janete Luzia Leite; e a professora visitante do curso de pós-graduação em serviço social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Maria Ciavatta.

Leher iniciou sua fala lembrando que a universidade brasileira, implantada tardiamente, tem sua gênese na natureza do capitalismo dependente brasileiro. E é essa matriz que vai determinar o conhecimento gerado academicamente. “Também não podemos esquecer que a produção do conhecimento tem sido re-significada. Hoje, não há mais a busca da verdade, mas, sim, a sua utilidade. Sem contar que o conhecimento é uma forma de domínio, como já disseram Kissinger, Fukuyama e Mcnamara”, argumentou.

“Diante disso, está fora de lugar a perspectiva de que a universidade tem um caráter iluminista. Àquela aura do professor universitário intelectual não mais se sustenta”, constatou.

Para Leher, antes havia a valorização da cultura geral, em que era comum encontrar um físico escrevendo sobre arte. Essa ideia, no entanto, não ocorre mais na universidade submetida à lógica utilitarista e pragmática. “É a expropriação do trabalho acadêmico”, criticou.

No Brasil, esse processo foi iniciado com a ditadura militar, que centralizou no Ministério do Planejamento os programas de apoio científico e tecnológico. Como o governo precisava direcionar a inteligência na perspectiva desenvolvimentistas do país, mas queria silenciar a universidade, passou a utilizar-se dos editais para direcionar as pesquisas.

Desde então, mas, principalmente, a partir de 2000, a maioria dos recursos destinados à pesquisa foram se deslocando para o que passou a ser chamado de inovação. A hipótese de Leher é de que como Brasil é dependente e como os doutores formados nas universidades não conseguem empregos na iniciativa privada, a universidade está sendo re-funcionalizada para fazer o serviço que as empresas não querem fazer.“Isso se dá nas ciências duras, mas também nas ciências sociais. É o que explica, por exemplo, o tanto de editais para formar professores à distância, ou para fazer trabalho nas favelas. É a universidade oferecendo serviços”, exemplificou.

“Diante dessa pressão em oferecer serviços, em produzir, o professor que levar dois anos para concluir um livro é expulso da pós-graduação”, denunciou Leher.

A saída para essa situação está na aliança do movimento docente com os movimentos populares. “Ao contrário do que ocorreu em épocas anteriores, em que parcelas da burguesia apoiaram projetos de uma universidade mais comprometida com os povos, hoje eles estão preocupados em inserir cada vez mais a instituição na lógica do mercado”, constatou. “Temos, portanto, de construir um arco de forças políticas no movimento anti-sistêmico, ou seja, com movimentos como a Conae e o MST”, defendeu.

Esse diálogo vai exigir da academia, no entanto, um esforço epistemológico e epistêmico. “Se queremos o MST como aliado, por exemplo, temos de produzir conhecimento que trate, por exemplo, da agricultura familiar”, argumentou.

Qualidade no ensino
A professora Maria Ciavatta também criticou o produtivismo acadêmico ao qual estão submetidos os docentes universitários. “Numa recente publicação do ANDES-SN, li a seguinte frase, que reflete muito bem o atual estado em que nos encontramos: ‘antes, éramos pagos para pensar, agora, somos pagos para produzir’. Achei essa definição ótima”, afirmou.

Ciavatta argumentou que a baixa qualidade do ensino decorre, diretamente, da insuficiência de recursos, responsável pelos baixos salários pagos aos professores. Disse, também, que o Brasil não tem políticas públicas para educação, mas programas de governo.

Ela criticou veementemente o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico) do governo federal. “O discurso é o mesmo dos anos 90, de que precisamos treinar os jovens pobres porque eles precisam de trabalho. Ocorre que esses jovens, por não saberem o básico, também não aprenderão nada nos cursos técnicos”, previu.

“O que temos de defender é a universalização do ensino médio público, gratuito, de qualidade e obrigatório. Temos de responsabilizar o Estado nessa questão”, defendeu.

Ciavatta criticou a banalização do termo pesquisa. “Todos os professores têm de ser pesquisadores, quando, na realidade, a pesquisa científica exige um tempo para pensar”, argumentou. “A pesquisa é encarada como toda E qualquer busca de informação”, constatou.

Após citar os artigos da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) que tratam da pesquisa, ela apontou a baixa qualidade do ensino como um empecilho. “A sofisticada proposta da LDB não se faz com alunos semi-analfabetos. Não basta a alfabetização funcional de muitos e a especialização de poucos. A inovação requer a generalização da cultura científica”, diagnosticou.

Para Ciavatta, a privatização das universidades públicas, com a criação de cursos pagos, se deu a partir do achatamento salarial dos anos 90, o que acarretou maior carga horária dos professores, precarização das relações de trabalho, produtivismo induzido e  individualismo.  “Sou de uma época em que líamos os trabalhos dos colegas. Hoje não temos mais tempo”, lamentou.

A eficiência prescrita e o produtivismo induzido limitaram, segundo ela, a democracia e a autonomia da universidade.

Para a pesquisadora, o viés positivista e mercantilista é que está pautando a produção do conhecimento. “O direito à educação está sendo substituído pelo avanço do mercado sobre a educação, que está sendo vista como um serviço”, afirmou.

Saúde dos docentes
O produtivismo acadêmico está tirando a saúde dos docentes das universidades públicas brasileiras. Essa é a principal constatação feita por estudo da professora do curso de Serviço Social da UFRJ Janete Luzia Leite. “Antes, a docência era vista como uma atividade leve. Agora, está todo mundo comprimido”, afirmou.

A causa dessa angústia está na reforma, feita em 2004, na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “Aliada ao Reuni, as mudanças na Capes foram um verdadeiro ataque à autonomia universitária”, denunciou.

O resultado foi a instituição de dois tipos de professores: o pesquisador, que ensina na pós e recebe recursos das agências de fomento para fazer suas pesquisas e o que recebe a pecha de “desqualificado”, que ficou prioritariamente na docência de graduação e à extensão. Esses, em sua maioria, são recém-contratados e terão suas carreiras truncadas e sem acesso a financiamentos.

Para Janete, os atuais docentes estão formando em seus alunos um novo ethos, em que é valorizado o individualismo, ocultada a dimensão da coletividade e naturalizada a velocidade e a produtividade.

Há, também, um assédio moral subliminar muito forte, que ocorre, principalmente, quando o docente não consegue publicar um artigo, ou quando seus orientandos atrasam na conclusão do curso. “Com isso, estamos nos aproximando de profissões que trabalham no limite do estresse, como os médicos e motoristas”, afirmou.

O resultado é que os docentes estão consumindo mais álcool, tonificantes e drogas e estão propensos à depressão e ao suicídio. “É um quadro parecido com a Síndrome de Burnout, em que a pessoa se consome pelo trabalho. Ocorre como uma reação a fontes de estresses ocupacionais contínuas, que se acumulam”, explicou Janete Leite.

O problema, segundo ela, é que as pessoas acham que seu problema é individual, quando é coletivo, além de terem vergonha de procurar o serviço médico. “Com isso, elas vão entrando em suas conchas, temendo demonstrar fragilidades”.

Como forma de mensurar o nível de estresse dos docentes, a pesquisadora da UFRJ começou a fazer uma pesquisa nesse campo. Junto com um grupo de aluno, ela entrevista professores dispostos a falar de seus problemas.

“A primeira constatação que fiz é que as pessoas estão ansiosas para falar sobre seus problemas. Nossas entrevistas não duram menos do que uma hora e meia”, contou.

Já foi possível concluir que a atual realidade tem provocado sintomas psicopatológicos, como depressão e irritabilidade; psicosomáticos, como hipertensão arterial, ataques de asma, úlceras estomacais, enxaquecas e perda de equilíbrio; e sintomas comportamentais, como reações agressivas, transtornos alimentares, aumento de consumo de álcool e tabaco, disfunção sexual e isolamento.

Tudo isso, para Janete Leite, decorre da pressão atualmente feita sobre o docente. “O nosso final de semana desapareceu, pois temos de dar conta do que não conseguimos na semana, como responder e-mails de orientandos, ou escrever artigos”, afirmou.

Para ela, é preciso que haja uma reação dos docentes a esse processo. “Caso contrário, seremos uma geração que já está com a obsolescência programada”, previu.

Veja mais:

Apresentação Maria Ciavatta

Apresentação Janete Leite

Diversidade para inovar

Folha de S. Paulo – TENDÊNCIAS/DEBATES

Berthier Ribeiro-Neto

Poucas mulheres atuam em áreas como ciências da computação. O problema é real para a produtividade: equipes mistas têm melhores resultados

A força criativa das empresas modernas reside, cada vez mais, na soma das habilidades dos indivíduos que nelas trabalham.

A diversidade de ideias, culturas e experiências de vida que nos diferenciam uns dos outros constitui elemento essencial para a geração de produtos e tecnologias que antecipam as necessidades dos usuários, alteram paradigmas, e consequentemente alteraram o comportamento das pessoas. Isso é importante porque somente há inovação quando há alteração de comportamento.

Para criar um ambiente com diversidade de ideias e culturas, é preciso contratar pessoas com formação variada, com diferentes matizes raciais e religiosas, com boa proporção de homens e mulheres.

Conquanto pareça desnecessário frisar diversidade de sexo no início do século 21, há áreas do conhecimento, como as engenharias e as ciências da computação, em que a proporção de mulheres é baixa ou muito baixa, podendo chegar a frações inferiores a 5%.

O problema é real e de relevância para aumento da produtividade e criatividade ao largo, dado que equipes compostas por homens e mulheres produzem melhores resultados do que equipes compostas exclusivamente por homens.

Um estudo sobre registros de patentes ao longo de 25 anos (1980-2005) realizado pelo Centro Nacional para as Mulheres e Tecnologia da Informação, dos Estados Unidos, concluiu que equipes mistas produziram de 26% a 42% mais registros do que equipes compostas exclusivamente por homens.

O problema é particularmente agudo na área de ciência da computação, no qual as mulheres representam apenas 20% da força de trabalho –enquanto são 59% da força de trabalho profissional do Brasil, de acordo com pesquisas do Google.

Desde 2001, a participação feminina nos cursos de ciência da computação no país, uma área fundamental nos tempos de inovação digital, caiu de 30% para meros 15%. O futuro de curto prazo promete menos mulheres num mercado já dominado pelos homens.

Há várias razões para o fenômeno. É fato que há um certo preconceito social com as engenharias em geral como uma área boa para os homens, mas difícil para as mulheres. Como resultado, logo no início do segundo grau, quando os jovens começam a pensar no curso que farão na universidade, as mulheres são estimuladas a considerarem em primeiro plano as ciências humanas e biológicas, com ênfase maior para os cursos de medicina e direito.

Mudar um tal estado de coisas requer reinventar a imagem das engenharias e das ciências da computação no imaginário popular. Um passo inicial importante é divulgar a presença de mulheres de sucesso nas engenharias e nas empresas de alta tecnologia, como modelos inspiracionais para os jovens. Outro é estimular a contratação de mulheres nas engenharias.

Como país que entende o poder da inovação na geração do crescimento econômico sustentável, precisamos estimular uma nova geração de mulheres apaixonadas pela matemática, física, ou química que, no momento de escolha da profissão, sejam capazes de sonhar com um futuro brilhante nas empresas modernas de engenharia e tecnologias de informação.

BERTHIER RIBEIRO-NETO, 53, é diretor de engenharia do Google para a América Latina

USP: marxismo na política

Carta Capital

USPAs greves na USP

por Vladimir Safatle

Em nenhuma grande universidade do mundo o reitor é escolhido pelo governador de um estado. É uma aberração
A universidade de São Paulo está em greve há mais de um mês. Para quem acompanha os movimentos da mais importante universidade da América Latina, nada de novo. Greves são periódicas na USP, algumas com resultados importantes, entre eles a contratação de novos professores, defesa da autonomia universitária etc., outras nem tanto. O certo é que elas se transformaram em um dos poucos instrumentos à disposição dos professores, estudantes e funcionários para pressionar e negociar. Há de se perguntar por quê.Discutir tal questão com o mínimo de serenidade é difícil, pois há um ressentimento irredutível incrustrado principalmente em certos setores da classe média. Gente que não entende o fato de nunca ter sido reconhecida como grande intelectual ou escritor e que, por isso, sempre está disposta a explicar seu fracasso por um grande complô nascido na academia. Por isso estão sempre prontos a repetir o mesmo mantra ouvido desde o nosso nascimento: reduto de marxistas improdutivos, a universidade (em especial sua área de humanidades) é irrelevante, nunca produziu nada que mereça ser lembrado.

De nada adianta mostrar que 25% de toda a pesquisa realizada no Brasil é feita pela USP e que nossa universidade é um gigante com, aproximadamente, 74 mil alunos só na graduação. Para se ter uma ideia, Harvard tem 6 mil estudantes. O gigantismo obriga a USP a responder por um conjunto de atividades que “universidades de excelência” não precisam sequer pensar. Não somos uma universidade que seleciona os 6 mil melhores alunos e os trabalha quase individualmente. Somos uma grande universidade de massa que precisa responder por exigências de formação, pesquisa, profissionalização e reciclagem, suporte de serviços sociais, entre tantas outras coisas. Se separássemos os 6 mil melhores, chegaríamos perto das melhores do mundo, mas certamente contribuiríamos para jogar os outros 68 mil em condições de ensino muito piores do que aquelas que eles têm hoje.

Por outro lado, as acusações contra o reduto de marxistas chegam a ser hilárias. No Departamento de Filosofia (que estaria no pretenso epicentro do marxismo), faz décadas não há um curso regular sobre Marx, embora haja cursos sobre Locke, Hobbes e outras referências do pensamento liberal. Se nos afastarmos desse mar de ressentimento que invade setores da mídia sempre que se fala da USP, talvez possamos discutir alguns pontos com mais propriedade.

Um dos maiores fatores de desestabilização da vida universitária nesses últimos anos é a escolha do reitor. Há uma forte razão para tanto, pois o processo uspiano é uma aberração. Ultimamente, alguns foram à mídia dizer que uma escolha do reitor por eleição direta seria inaceitável, haja vista o fato de nenhuma das melhores universidades do mundo operar dessa forma. É verdade, mas gostaria também que alguém me indicasse uma, apenas uma universidade entre as melhores, cujo reitor é escolhido pelo governador do estado a partir de uma lista tríplice.

Esta é, de longe, a pior das aberrações, por abrir a gestão da universidade à interferência de alguém que nada sabe a respeito das necessidades acadêmicas, mas que decide tudo a partir do cálculo de interesses de seu partido. É realmente impressionante certos setores da sociedade não perceberem que uma lista tríplice significa transformar a gestão de nossa maior universidade em um cargo como outro qualquer no governo estadual, como presidente da Sabesp ou secretário-geral dos parques estaduais. E por meio de uma indicação em que o governador finge brincar de democracia para, no fim das contas, impor sua vontade. O governador não é uma instância acadêmica, não dá aulas, não escreve artigos, não orienta teses e não participa de conferências e simpósios. Logo, não tem nada a fazer nesse processo.

No caso da USP, a escolha direta de reitor tem uma vantagem grande em relação aos demais modelos: ele quebra a formação de castas burocráticas que se perpetuam por décadas, além de dar mais voz aos alunos. Até mesmo em uma universidade privada, é normal alunos avaliarem cursos, interferirem em várias diretrizes acadêmicas e pedagógicas. Não na USP. Tratamos as opiniões dos alunos como um convite à irracionalidade e à desconsideração das necessidades acadêmicas. Mas isso está longe de ser verdade. Os alunos querem aprender e vencer na vida. Não há razão alguma para recusar ouvi-los.

***

Vladimir Safatle – Professor da Faculdade de Filosofia da USP, é autor do livro “A esquerda que não teme dizer seu nome”

Servidores de universidades fazem paralização nacional dia 11

Correio Braziliense

Técnico-administrativos decidiram que vão aderir aos movimentos populares que reivindicam melhoria nos serviços públicos

Gustavo Aguiar

A Federação des Sindicatos de Trabalhadores de Técnico-Adminstrativos em Instituições de Ensino Superior do Brasil (Fasubra Sindical) resolveu aderir a paralização marcada para quinta-feira, dia 11, convocada pelo Fórum de Entidades de Servidores Públicos Federais. A adesão ao movimento chamado de Dia Nacional de Lutas foi discutida e aprovada durante a plenária nacional estatutária da entidade, que ocorreu no último sábado em Brasília.

Os líderes da classe organizaram um ato na capital federal a partir das 15h de quinta-feira, com centração em frente à Biblioteca Nacional, na Esplanada dos Ministérios. Os manifestantes deverão seguir até o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

A mobilização nacional está sendo preparada pelas centrais sindicais de várias categorias, e começa a ganhar corpo com a confirmação de que outros sindicatos irão aderir ao protesto com greves e manifestações. Haverá paralisação desde o setor de transportes até construção civil. Também se preparam para o dia categorias de serviços, como bancos, e da indústria, como metalúrgicos, petroleiros, mineradores e químicos.

Dia Nacional de Lutas
A paralização nacional ocorre em apoio aos movimentos e manifestações urbanas ocorridas em todo o Brasil desde o mês de junho. Segundo a nota divulgada pela Federação, a mobilização deve “somar-se às manifestações, para além das reivindicações coorporativas, defendendo as bandeiras da sociedade que incluem saúde, educação, saneamento, segurança, combate a corrupção e habitação entre outras, porém, sempre incentivando o caráter de organização da classe trabalhadora.”

Uma das reivindicações específicas da categoria é ver revogada a lei que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares — EBSERH, instituição criada pelo governo federal para gerir os hospitais universitários, que, segundo a entidade, fere a Constituição Federal no que se refere à autonomia universitária.

Vendas de livros digitais superam os de papel

Observatório a Imprensa/Folha de S. Paulo

Cidades com mais livrarias são as que mais compram livros pela web

Por Raquel Cozer

Os maiores compradores virtuais de livros no Brasil estão exatamente nas áreas mais abastecidas por lojas físicas –embora o comércio eletrônico seja sempre lembrado por especialistas em leitura como alternativa para áreas onde não há livrarias.

Das dez cidades que mais compram livros pela internet no país, nove estão na região Sudeste, segundo levantamento per capita realizado pela Livraria Saraiva, a maior do país, a pedido da Folha.

O levantamento cobriu todas as cidades brasileiras e considerou o período de junho de 2012 a maio de 2013.

A lista é liderada por Niterói (RJ), São Caetano do Sul (SP) e Vitória (ES), três municípios entre os 50 com o maior Produto Interno Bruto (PIB) do país e que têm, respectivamente, uma livraria para cada 21 mil, 19 mil e 18 mil habitantes –a média nacional é de uma livraria para 63 mil.

O ranking da venda específica de e-books acompanha a tendência, com Santana do Parnaíba (SP) liderando a lista seguida de Niterói, Florianópolis (SC), São Caetano do Sul e Vitória.

Na Saraiva, o e-commerce representa hoje 34% das vendas da rede, que tem 104 lojas físicas no país. Já na Cultura, o comércio via internet chega a 22% do total. Em ambas, a loja on-line é a que mais cresce em toda a rede.

Para livreiros que trabalham com venda pela internet, é nítida a diferença no comportamento dos consumidores em cidades onde as lojas físicas estão presentes.

“O e-commerce não é só conveniência para quem não tem acesso a outros canais. Sempre que abrimos loja numa cidade, aumenta a compra on-line local”, diz Sergio Herz, CEO da Livraria Cultura.

Fabiano dos Santos, subdiretor no centro de fomento à leitura na América Latina da Unesco, diz desconhecer estudos sobre o impacto das livrarias na formação do hábito de leitura, mas vê aí “boa agenda de investigação”.

“A livraria tem função social na democratização do acesso e na promoção da leitura. Todo livreiro é ou deve ser um mediador cultural.”

Para Eliana Yunes, diretora da Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio, os dados fazem pensar no limite da democratização da leitura permitida pela internet, até pelo fato de a inclusão digital também ser maior em áreas mais ricas.

“Quanto mais diversificados os canais de compra, melhor para a população. Mas quem não tem acesso a livrarias e bibliotecas dificilmente solucionará um déficit de leitura com o computador. A esses foi negado o aperitivo, o gosto de experimentar.”

Nordeste

O Nordeste é a segunda região mais bem colocada na compra de livros on-line, embora seja a terceira região com mais livrarias, atrás do Sul.

Entre os 50 municípios que mais compram pelo site da Saraiva, na contagem per capita, 29 são do Sudeste, 11 do Nordeste, cinco do Sul, dois do Centro-Oeste, dois do Norte e um do Distrito Federal.

Na Saraiva e na Cultura, o Nordeste foi a região em que a compra on-line mais cresceu em 2012, acompanhando tendência de crescimento do PIB local (2,05% no primeiro trimestre) na comparação com o resto do país (1%). “O Nordeste foi uma opção federal em termos de investimento. Isso se reflete na compra de livros”, diz Frederico Indiani, diretor de compras da Saraiva.

***

Raquel Cozer é colunista da Folha de S.Paulo

Menino autista gênio da física cotado para um dia levar Nobel

Uol

Jacob Barnett, 14, diagnosticado com autismo aos dois anos de idade, hoje estuda para obter seu mestrado em física quântica

Jacob Barnett, 14, diagnosticado com autismo aos dois anos de idade, hoje estuda para obter seu mestrado em física quântica

Aos dois anos de idade, o jovem americano Jacob Barnett foi diagnosticado com autismo, e o prognóstico era ruim: especialistas diziam a sua mãe que ele provavelmente não conseguiria aprender a ler ou sequer a amarrar seus sapatos. Mas Jacob acabou indo muito além. Aos 14 anos, o adolescente estuda para obter seu mestrado em física quântica, e seus trabalhos em astrofísica foram vistos por um acadêmico da Universidade de Princeton como potenciais ganhadores de futuros prêmios Nobel.

O caminho trilhado, no entanto, nem sempre foi fácil. Kristine Barnett, mãe de Jacob, diz à BBC que, quando criança, ele quase não falava e ela tinha muitas dúvidas sobre a melhor forma de educá-lo.

“(Após ser diagnosticado), Jacob foi colocado em um programa especial (de aprendizagem). Com quase 4 anos, ele fazia horas de terapia para tentar desenvolver suas habilidades e voltar a falar”, relembra. “Mas percebi que, fora da terapia, ele fazia coisas extraordinárias. Criava mapas no chão da sala, com cotonetes, de lugares em que havíamos estado. Recitava o alfabeto de trás para frente e falava quatro línguas.”

Jacob diz ter poucas memórias dessa época, mas acha que o que estava representando com tudo isso eram padrões matemáticos. “Para mim, eram pequenos padrões interessantes.”

texto completo – CLIQUE

%d blogueiros gostam disto: