Jornalismo mais perto da escola

Folha de S. Paulo

Ficção e jornalismo se influenciaram ao longo da obra de García Márquez

 

A atuação jornalística de Gabriel García Márquez influenciou tanto a sua ficção, e vice-versa, que o colombiano gerou um paradoxo: “Os editores do jornal se queixam de que meu estilo é muito literário, e os críticos literários reclamam que meu estilo é muito jornalístico”.

A citação é feita pelo tradutor e ensaísta Léo Schlafman no prefácio de “Reportagens Políticas” (Record), um dos cinco volumes que que reúnem sua produção jornalística dos anos 1940 aos 1980 —a maioria é composta de crônicas, reportagens, artigos e entrevistas.

Trocou o curso de direito pelo jornalismo em 1950. Em sua carreira se destacam as reportagens investigativas, personagens que remetem ao realismo mágico de sua ficção e a defesa política que fez de regimes como a ditadura cubana, seja em artigos de opinião ou reportagens.

Para García Márquez, um dos principais problemas do jornalismo atual estava na formação. Ele defendia uma aproximação entre os veículos de imprensa e as escolas.

Dostoiévski é processado 131 anos após morte

Uol

O escritor russo Fiódor DostoiévskiCento e trinta e um anos após sua morte, o escritor russo Fiódor Dostoiévski, um dos maiores nomes da história da literatura mundial, foi processado por incitar o desrespeito a um tribunal. As informações são de reportagem da agência de notícias estatal russa Ria Novasti publicada na quinta-feira (1º).

O processo começou após um morador da longínqua região de Kamchatka, no nordeste da Rússia, usar a palavra “idiota” para se referir a um oponente durante um julgamento, em 2011.

Processado criminalmente por desrespeito ao tribunal, o homem alegou em sua defesa que a “perniciosa influência” da leitura de “O Idiota”, uma das obras-primas de Dostoiévski, publicada em 1869, o havia levado a ofender o adversário, e que o escritor deveria ser investigado por incitá-lo a desrespeitar o tribunal.

Após nove meses de supostas investigações sobre a alegação do homem, o processo foi finalmente arquivado no início deste ano pelo fato de o escritor estar morto desde 1881.

Autoridades judiciais russas são obrigadas a processar todos os requerimentos feitos ao Judiciário, independentemente de parecerem absurdos, segundo uma porta-voz.

O crime de desrespeito a tribunal prevê pena de até seis meses de detenção ou multa de 200 mil rublos (cerca de R$ 14 mil) na Rússia.

Inocentado neste processo, Dostoiévski passou grande parte da vida tendo problemas com a Justiça. Em 1849, o escritor foi condenado à morte junto com outras 19 pessoas por distribuir panfletos contra o governo, mas a sentença foi cancelada na última hora.

Morre Eric Hobsbawm

Folha de S. Paulo

Um dos principais intelectuais contemporâneos, o historiador britânico Eric Hobsbawm morreu na madrugada de ontem, aos 95 anos, num hospital próximo a sua casa, em Londres.

Autor de livros respeitados e populares sobre história moderna e contemporânea e de ensaios marcantes sobre temas como jazz e banditismo social, editados em mais de 40 idiomas, ele morreu de pneumonia, após anos lutando contra uma leucemia.

Internado havia meses no Royal Free Hospital, o historiador continuava escrevendo e acabara de concluir uma nova coletânea de ensaios, chamada “Tempos Fraturados: Cultura e Sociedade no Século 20”, cuja publicação estava prevista para 2013 na Inglaterra e no Brasil.

Século 20 não era mistério para Eric Hobsbawm. Nascido meses antes da Revolução Russa de outubro de 1917, ele cruzou pessoalmente com momentos-chave da história contemporânea.

Era capaz, por exemplo, de contar detalhes de um dia invernal de janeiro de 1933 quando, saindo da estação Halensee S-Bahn de Berlim, onde vivia à época, viu numa banca um jornal com a notícia da eleição de Hitler como chanceler da Alemanha.

Leitor de Karl Marx e militante desde os 14 anos na juventude judaica comunista, deixou o país pouco depois.

Nascido em Alexandria, no Egito, o historiador se mudou aos dois anos para Viena e depois para Berlim. Ele chegou à Inglaterra aos 16 anos, com a irmã mais nova e o tio, que havia passado a tomar conta do casal de irmãos depois das mortes prematuras dos pais, um inglês e uma austríaca.

TRAJETÓRIA

Sua trajetória universitária começou no King’s College de Cambridge, onde dividiu alojamento com o filósofo austro-britânico Ludwig Wittgenstein. Ele se desenvolveu em especial no Birkbeck College, da Universidade de Londres, onde começou a dar aulas em 1947 (e da qual se tornou presidente em 2002).

A essa altura, Hobsbawm já integrava o Communist Party Historians Group, grupo de estudos ligado ao Partido Comunista Britânico, do qual fizeram parte outros historiadores influentes, como Christopher Hill (1912-2003) e E. P. Thompson (1924-1993), autor de “A Formação da Classe Operária Inglesa”.

A vasta bibliografia produzida por Hobsbawm seguiu temática semelhante à de Thompson. De seus mais de 30 livros, os mais conhecidos são o quarteto “A Era das Revoluções”, “A Era do Capital”, “A Era dos Impérios” (os três da editora Paz e Terra) e “Era dos Extremos” (Companhia das Letras).

Embora declarasse que os livros não foram concebidos como série, Hobsbawm dizia que os três primeiros poderiam ser lidos como a história do “longo século 19”, como apelidava o período de 1789 a 1914, e que o mais recente tratava do “curto século 20”, como se referia ao período entre 1914 e 1991.

Além destes, outras duas dezenas de títulos do historiador foram publicadas no Brasil, país onde ele desfrutou de popularidade especial, tendo vendido, apenas pela Companhia das Letras, que publicou seus oito livros mais recentes, 340 mil exemplares.

Em 2003, em sua última visita ao Brasil, como convidado da primeira edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), o historiador disse ter vivido seus momentos “mais pop star”.

Em meio a gritos de “I love you”, retratos e pedidos de autógrafos, o historiador comentou com Luiz Schwarcz, editor da Companhia das Letras: “Eu estou cansado dessa vida de Mick Jagger”.

 

%d blogueiros gostam disto: